sábado, 28 de abril de 2012

Antonio Torres Galvão - um assembleiano no poder

Antonio Torres Galvão, se destaca na história assembleiana por diversos motivos. Foi um dos pioneiros da Assembleia de Deus no nordeste brasileiro, pastor, escritor, pregador e compositor evangélico. Mas o que o torna singular em sua biografia foi sua militância política e sindical numa época em que poucos pentecostais se aventuravam nessas plagas.

Segundo Araújo (2007), Torres Galvão era um político considerado progressista, com fortes preocupações sociais e, como líder que era, organizou o Sindicato de Fiação e Tecelagem em Paulista - PE. Enfrentou a poderosa família Lundgren proprietária das Casa Pernambucanas, defendendo interesses dos funcionários pertencentes a essas empresas. 

Autodidata, trabalhou como juiz do trabalho e intérprete de funcionários estrangeiros que trabalhavam na região de Pernambuco. Conseguiu reconhecimento e representação para se eleger deputado estadual em 1946, sendo reeleito em 1950 com a maior votação para o cargo no estado Pernambucano. Diante do clima de perseguição que afetava os crentes pentecostais, sua eleição foi vista com resposta de Deus as orações dos fieis.

Com a morte do governador Agamenon Magalhães, Torres Galvão sendo já presidente da Assembleia Legislativa de Pernambuco, assume o governo num mandato de 110 dias até a posse do novo chefe do executivo estadual. Na condição de governador se recusou a acompanhar procissões, e de participar de festas consideradas pagãs ou carnavais, não aceitando a alegação de que sua participação era necessária, pois isso era para muitos um "dever social inerente ao cargo". Faleceu em 1954 vítima de um infarte, poucos meses antes de concluir seu mandato, morrendo com ele também as pretensões de ser prefeito da cidade de Paulista.

Reportagem de A Seara: destaque para Torres Galvão

Mesmo com toda essa biografia, Torres Galvão é praticamente ignorado na historiografia assembleiana até a década de 1980. Emílio Conde (1960) sequer o menciona; Abraão de Almeida cita-o simplesmente como pioneiro da AD em Pernambuco. Freston (1994) levanta a hipótese que talvez sua participação em sindicatos e sua reconhecida tendência à esquerda tenham feito os autores e a lideranças na época a ignorá-lo. Curiosamente, Torres Galvão foi destaque na revista assembleiana A Seara de 1957. A revista tinha como objetivos destacar a presença e o crescimento de pentecostais nas diversas áreas da sociedade, e Galvão é homenageado postumamente, sendo citado como exemplo para os fieis por sua perseverança nos estudos e na atuação política. Mesmo com todo esse destaque, três anos depois em seu livro, Conde o ignora.

Porém, com a crescente atuação política da denominação à partir de meados dos anos 80, sua biografia cada vez mais tem sido destacada e revalorizada, para legitimar outas candidaturas e projetos políticos-eclesiásticos. Muitos assembleianos que antes mantinham uma postura apolítica e até viam a política como algo totalmente secular, de repente são apresentados há um pioneiro, pregador e pastor pentecostal, que atingiu em sua época, uma posição relevante na sociedade pernambucana. São coisas para se pensar...


ALMEIDA, Abraão de, et alii. História das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 1982.

ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

CONDE, Emílio. História das Assembleias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 1960.

FRESTON, Paul. Evangélicos na Política Brasileira: história ambígua e desafio ético. Curitiba: Encontrão Editora, 1994.

Mensageiro da Paz. número 2, ano 47, 1977: CPAD (suplemento especial)

Revista A Seara  nov/dez de 1957: CPAD