AD em São Paulo: Revolução e crescimento nos anos 30

Memórias das Assembleias de Deus compartilha uma foto rara do arquivo pessoal do irmão Sigisberto Machado. Reunidos em frente ao antigo templo, vários irmãos e obreiros da Assembleia de Deus da cidade de São Paulo possam para o registro fotográfico. Sentados a frente, o então pastor da igreja, o missionário sueco Samuel Hedlund e esposa Tora Hedlund, e o também missionário, músico, maestro e compositor Jahn Sörheim. O local? Provavelmente na rua Villela ou na Cruz Branca, antigos endereços da igreja.

O registro deve ter sido feito entre os anos de 1932 a 1935, período que Hedlund dirigiu o trabalho na capital paulista. Sörheim também cooperou nessa igreja, e hoje a banda de música da AD no Belenzinho leva seu nome em homenagem ao missionário.

Não deve ter sido fácil para o casal Hedlund ter dirigido a AD em São Paulo nesse período, pois na condição de estrangeiro presenciou um momento político conturbado na história do país. No dia 9 de julho de 1932, teve início a Revolução Constitucionalista, movimento que se opunha ao governo de Getúlio Vargas. A revolta era uma tentativa de resgatar o poder político do estado de São Paulo perdido na Revolução de 1930. Durante 3 meses os paulistas lutaram, mas isolados e numericamente inferiores, foram derrotados após batalhas sangrentas, e no dia 2 de outubro o conflito teve seu término.

Membros da AD na década de 30: tempo de um trabalho único da capital
Logo após o sangrento conflito, Sylvio Brito, em visita a cidade e futuro colaborador da AD paulista, assim relata ao Mensageiro da Paz (2ª quinzena de 1933): "A vitória! Aleluia! Quem não deseja vencer? Naturalmente, todos nós. Entretanto, nem todos vencem; qual a razão? perderam a visão do Vencedor - de nosso Senhor Jesus Cristo".

Seria uma referência ao conturbado momento político em que o país vivia? Provavelmente sim. Os paulistas, mesmo derrotados se sentiam vitoriosos moralmente, pois Vargas após o conflito reviu sua política, convocou eleições para uma Assembleia Constituinte e promulgou uma nova Constituição. Mas mesmo assim, ainda predominava (e predominaria durante muito tempo) a força do governo de Getúlio. Então politicamente, dependendo do ponto de vista, seria difícil afirmar quem fora de fato o vencedor na queda de braço entre o governo federal e as forças paulistas.

Brito, porém, na continuação do artigo assim descreve e aproveita o momento político para espiritualizar o que viu em São Paulo:
Numa recente vista que fiz aos irmãos do Estado de S. Paulo, vi e participei das bençãos e vitórias que o Senhor Jesus Cristo tem concedido ao seu povo ali. O Estado de S. Paulo, que durante perto de três meses, esteve separado do resto do Brasil, está sendo, agora, visitado por Aquele que o profeta Isaías denomina - o Príncipe da Paz.
Foram 14 dias de visita, onde o jornalista observou os cultos evangelísticos em várias praças e ruas da cidade, e no templo com um número considerável de conversões. De forma incisiva, pede orações por Hedlund, pois observa "A seara é grande, mas os obreiros são poucos", e lança mão de vários versículos bíblicos que falam sobre o chamado e a necessidade de trabalhadores para a Obra de Deus.

Dificuldade política, e carência de obreiros diante de tantas oportunidades de evangelização e crescimento. Sylvio Brito assim descreveu o trabalho da AD paulista. Tempos depois, sairia ele do Rio de Janeiro e viria cooperar na capital de SP, se tornando o primeiro pastor brasileiro a dirigir o trabalho na cidade em substituição aos missionários suecos. Talvez imbuído do desejo de fazer mais, tomou uma decisão polêmica: deixou o pastorado da igreja e juntamente com seu cunhado Paulo Macalão, abriu uma congregação filiada a Madureira na cidade. Decisão essa que lhe custou o banimento da história na AD da Missão.

Fontes:

ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

MENSAGEIRO DA PAZ. 2ª quinzena de janeiro de 1933. Rio de Janeiro: CPAD.



PS: Sobre a Revolução Constitucionalista de 1932, vários livros e sites estão disponíveis. Porém, como o tempo é curto, foi aproveitado as ótimas informações e pontos de vista do link da revista Nova Escola.


Comentários

  1. É uma pena que o MP não faça referências diretas à eventos desta magnitude, que, sem dúvida influenciavam o dia-a-dia da Igreja, ainda que o discurso oficial afirmasse que o crente não deveria se misturar com os "negócios do mundo". No entanto, quer queira quer não, os "negócios do mundo" ajudaram a moldar o pensamento das lideranças de então. Haja vista o nacionalismo dos pastores presidentes como Macalão.

    ResponderExcluir
  2. A paz do Senhor.
    Onde posso conseguir as antigas edições do mensageiro da Paz?

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

Flagrantes da cerimônia de diplomação dos novos bispos em Madureira

As Assembleias de Deus - títulos e honrarias

José Wellington – "não contavam com a minha astúcia"