sábado, 6 de maio de 2017

José Wellington – "não contavam com a minha astúcia"

"Como é que nós perdemos o Belém para aquele menino? Onde é que nós estávamos?". Teria sido esse o comentário dos principais líderes das Assembleias de Deus no Brasil, ao perceber que o comando do Ministério do Belém em 1980, foi para o "menino" José Wellington Bezerra da Costa, na época com 45 anos idade.

Talvez, o vice-presidente do Belenzinho tenha sido subestimado, ou quem sabe, simplesmente encarado como um concorrente secundário na disputa. Mas a história mostra, que José Wellington não possui perfil para ser coadjuvante.

Radicado na cidade de São Paulo desde 1954, Costa iniciou uma bem sucedida carreira de comerciante. Quase ao mesmo tempo ingressou no ministério. Dirigiu congregações, setores, secretariou a AD no Belém por uma década e em 1973, foi escolhido para ser vice-presidente do campo.

JW: não contavam com a minha astúcia 

Uma leitura atenta na biografia de José Wellington, escrita pelo jornalista Isael de Araújo, é suficiente para notar que na condição de vice-presidente, o jovem pastor soube construir apoios e alianças dentro do ministério, possibilitando sua ascensão à presidência do Belém.

Exemplo disso, é um caso relatado sobre uma possível desvinculação das igrejas do Mato Grosso do Belém. Wellington viaja até a região e convence seus pastores a desistir do intento. Posteriormente, já como presidente do Ministério, ele dá autonomia aos campos eclesiásticos. Percebe-se as possíveis negociações de bastidores e a conquista de simpatias estratégicas do futuro sucessor de Cícero.

Paralelamente, conforme a saúde de Cícero deteriorava-se, alguns líderes de destaque das ADs frequentavam o Belém de olho na sucessão. Companheiros de Wellington "o aconselhavam para tomar cuidado". Contudo, o maior obstáculo as pretensões do vice subir mais um degrau na hierarquia da igreja, seria à família do próprio Cícero.

Por motivos desconhecidos, familiares do veterano pastor eram contra o vice-presidente. Desejavam que o pastor João Alves Corrêa assumisse à igreja. Desde 1962 na liderança da AD em Santos, Corrêa articulava nos bastidores para assegurar o Belém para si. Via inclusive em José Wellington um aliado para seus intentos. Mas o cearense tinha outros planos e alianças para superar os concorrentes.

Nos relatos da sucessão há versões conflitantes e contradições. Na biografia, evidentemente Wellington se esforça para amenizar os fatos. Conta, para se legitimar, que Cícero ao ser questionado sobre o sucessor afirmava: "Deus já me deu o homem" e ele "está trabalhando comigo". Mas na hora decisiva, Canuto entrou com o pastor João Alves Corrêa na igreja para fazê-lo presidente do Ministério.

Só não conseguiu o intento, porque o seu vice já havia lhe esvaziado o poder. Ao apresentar o pastor João Alves para ser o novo líder, Cícero obteve simplesmente, o silêncio da congregação e dos seus obreiros. Um constrangimento para o velho "timoneiro". Experiente, percebeu a situação e declarou: "não estou mandando em mais nada".

Por esse motivo, em sua histórica entrevista à Folha de São Paulo em 1982, Cícero declarou que Costa "teria assumido a presidência da Assembleia de Deus sem seu consentimento, sendo aclamado pela assembleia de pastores". Constatação correta, pois o poder já havia lhe escapado das mãos.

Mas, a transição não seria de forma alguma pacífica. Logo após a posse de Wellington em janeiro de 1980, um documento registrado em cartório, circulou convidando os "Irmãos Pastores das Assembleias de Deus no Brasil" para uma reunião na sede do Belém. O texto, assinado por Cícero, trás à acusação de que o vice-presidente teria passado por cima de "preceitos estatutários" na eleição da diretoria no 1º dia do ano.

Ainda, segundo a circular, Costa teria no dia 06, transformado o culto de ceia em assembleia geral, "constituindo-se presidente da igreja" destituindo Cícero "indevidamente do Pastorado" e das "funções de Presidente Vitalício". Interessante, que alguns anos antes, em determinado momento de tensão com Wellington, Cícero o acusou de fazer a mesma coisa na congregação de Indianópolis. Era uma postura que o ancião realmente não tolerava.

Mas, o pioneiro estava com a saúde fragilizada. Há desconfianças, de que os familiares de Cícero estivessem articulando a reunião para enfrentar o ministério. Porém, na já citada biografia, está a declaração de que a escolha de José Wellington pela igreja "desagradou os principais líderes veteranos das Assembleias de Deus em São Paulo". A família do pioneiro não estava sozinha no intento.

Um desses líderes inclusive, teria enviado, ao que tudo indica, a tal carta para a CGADB contestando a escolha do vice-presidente. Informações de bastidores apontam João Alves Corrêa, pretendente ao trono e diretamente prejudicado com à sucessão como o autor da missiva. Corrêa na verdade, foi atropelado pela astúcia do futuro presidente da CGADB.

O perigo de uma reviravolta, parece só ter sido debelada com a morte do velhinho em 1982, quando os pastores do Belém divulgaram um documento "manifestando total apoio" e "reafirmando o reconhecimento" de que José W. Bezerra da Costa era verdadeiramente o legítimo sucessor de Cícero Canuto de Lima.

Firmado como presidente do Belém, o cearense logo disputaria em 1983 à presidência da CGADB. Perdeu para o líder de Madureira, Manuel Ferreira. Seria eleito vice-presidente em 1987, na chapa encabeçada por Alcebiades Vasconcelos. Mas, Alcebiades faleceu no ano seguinte. A história em seguida é bem conhecida: José Wellington não têm vocação e nem perfil para ser coadjuvante.

Fontes:

ALENCAR, Matriz Pentecostal Brasileira: Assembleias de Deus 1911-2011, Rio de Janeiro: Ed. Novos Diálogos, 2013.

ARAÚJO, Isael. José Wellington – Biografia. Rio de Janeiro: CPAD, 2012. 

ARAÚJO, Isael de. Dicionário do Movimento Pentecostal. Rio de Janeiro: CPAD, 2007.

CORREA, Marina Aparecida Oliveira dos Santos. Assembleia de Deus: Ministérios, carisma e exercício de poder. São Paulo: Fonte Editorial, 2013.

DANIEL, Silas. História da Convenção Geral das Assembléias de Deus no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2004.

FAJARDO, Maxwell Pinheiro. Onde a luta se travar: uma história das Assembleias de Deus no Brasil - Curitiba: Editora Prisma, 2017.

FRESTON, Paul. Breve História do Pentecostalismo. In: ANTONIAZZI, Alberto. Nem anjos nem demônios; interpretações sociológicas do pentecostalismo. Petrópolis: Vozes, 1994.

29 comentários:

  1. Este site é tendencioso. Aqui sempre se declara que JW,é presidente da CGADB, por 30 anos. Esquecendo assim que o Pastor Sebastião Rodrigues já foi presidente da CGADB,neste intervalo, mostrando assim que JW não é tão apegado a somente ser lider. Esse negócio da familia querer o João alves, desde quando mulher e filhos podem escolher o lider da igreja? E se o timoneiro tentou colocar o João, pode ter certeza que foi por pressão desta mesma família! Um recado aos pastores presidentes: Não deixem que filhos e esposas interfiram neste tipo de decisão, igreja não é proletariado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem meu irmão, tentei ser moderado em toda a narrativa. Não pinto o pastor JW como um vilão, mas como alguém que teve astúcia, sabedoria, diplomacia ou qualquer outro sinônimo para chegar à presidência do Belém. O poder se conquista. Disso o senhor JW sabia muito bem. Não é um texto para depreciá-lo e sim para no contexto se entender as lutas pelo poder dentro das ADs.

      Excluir
    2. para mim JW é maquiavélico. Vagner

      Excluir
    3. Toda história oficial é uma monumento e louvação aos seus líderes, uma biografia então é muito mais do que isso, no caso em questão, uma mitificação ou mesmo uma deificação. Lógico que escritas dessa natureza tem seus objetivos, tanto do biografado quanto do biógrafo. Veja bem, o biografo afirma que na sucessão o Ministério do Belém em 1980, o pastor José Wellington Bezerra da Costa foi colocar por Deus como um "bombeiro e pacificador das ADs do Belém". Quero concordar com o editor do blog. Nas lutas pelo poder, as estratégias são as mais diversificadas e na política eclesiástica ele em nada se distingue da partidária. Nas ADs, e isso já faz um bom tempo, a sujeira tem sido colocada debaixo de tapetes persas, os pastores presidentes estão muito ricos e preocupados em encontrar uma maneira de colocar seu filhos como sucessores hereditários.

      Excluir
  2. Entre tantas contradições eu chego a conclusão:a obra é de Deus mais tá nas mãos dos homens.Me entristeço só de pensar que um dos maiores vultos da AD,pastor Cícero,morreu magoado...

    ResponderExcluir
  3. Coisa conturbada a sucessão na AD. Quem acredita em todas as histórias contadas ou é ingênuo ou interessado.

    ResponderExcluir
  4. Era um dia, hoje já não tem mais identidade de Assembléia de Deus.

    ResponderExcluir
  5. Parabéns por mais essa postagem, exelente!
    Esse primeiro irmão que comentou foi muito hilário, ri a litros, rsrsr é muita ingenuidade dizer que o JW não apegado ao poder.
    Só não entedi o que esse pobre corderinho está fazendo na mão desses lobos (na foto) Abraços à todos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Amada,só para te dar uma idéia: JW, foi eleito democraticamnete em todas as eleições!Escolhido(E não imposto) por sábios pastores em que muitos deles são : Advogados( como é o caso de Orisvaldo Nunes, de AL) outros são juízes, médicos,promotores,professores... é uma gama de homens instruidos,não são pessoas iletradas e de fácil manejo! Eles que escolheram e continuam escolhendo JW, pq sabem que ele é muito melhor que os Câmaras, em todos os sentidos! Diga para os Câmaras sair do nosso meio e fundar outra convenção pq da CGADB, ele nunca será presidente,pq Deus não quer! Isaías 43:13

      Excluir
  6. Puxa vida longe de mim estar metido nesse saco de farinha.Paulo disse não te faças participantes dos pecados dos outros não imponha as mãos precipitadamente, preciso entrar no céu pois até agora foi o que plantei, de vou continuar.

    ResponderExcluir
  7. É um poder sobrenatural de José Wellington segundo o escritor do texto, só não entendo como a maioria dos pastores o apoiaram para estar até hoje na presidência da CGADB. Acho que o escritor está tentando difamar o pastor​ e a Assembleia de Deus no Brasil

    ResponderExcluir
  8. Matéria tendenciosa, imprudente e cheia de inverdades...Quem escreveu essa matéria, infelizmente não conhece nada sobre a história da AD no brasil.
    Esse blog e essa matéria é desrespeitosa com a toda a liderança das ADs no Brasil, NÃO COMPACTUO COM ESSA MATÉRIA E COM SEU DESRESPEITO.

    ResponderExcluir
  9. Olha Se nao fosse de Deus ele nao estaria no cargo ate hoje.porque de Deus nao se zomba .Deus poe quem ele quer e tira quem ele quer.graças a Deus ainda temos um pastor que tem doutrina .um homem moderado e sincero .ele esta ali para administrar a igreja .mas quem tem que buscar a Deus somos nos.pois a salvação é individual.

    ResponderExcluir
  10. Sugiro ao ao autor do texto também relatar a saga dos Câmaras no norte do país. Como tem se firmado no poder o rastro de cismas deixaram e o que ocorre com quem tenta suceder los.

    ResponderExcluir
  11. elias freitas da slva6 de maio de 2017 21:26

    esse modelo de super pastores e donos de tronos não é bíblico.faz apenas uma casta de intocáves e politiqueiros que não glorifcam em nada a Deus.De jw pra cá,a ad belém é uma nos bairros afaastados onde homnens de Deus têm pouco valor e reconhecimento,enquanto os da ëlite¨politiqueira aprontam,pecam à vontade e se locupletam.Com ele,veio também a negasta sucessão de pai para filho no trono,verdadeiros feudos de novos senhores feudais.Além disso,fala-se manter os bons costumes como as roupas das mulheres,mas hipocritamente,todos sabem que hoje,as irmãs usam roupa de igreja e roupas de trabalho,bem diferentes umas das outras.Finalizando,a cpad,rica editora ligada à cgadb,liderada pelos grandes nomes das familias ilustres dessa elite,é uma caixa preta.Não ha investimentos em faculdades,escolas,hospitais,nada de útil.Os bilhões de lucros,ninguém sabe pra quem vai.A briga pelo poder entre s.paulo e pará,não é para se ganhar mais almas.É pela bolsa de Judas...nada novo.JESUS ESTA ÀS PORTAS.

    ResponderExcluir
  12. A sólida vontade dos câmaras para a presidência da Cgadb é por causa do dinheirão que rende a livraria cpad eles estão com dívida na RBN para o ministério das comunicações e querem recursos pra suprir suas dívidas moro em Manaus e sei que eles são capazes de escarnecer igrejas para ter poder foi por isso que surgiu a grande Assembléia de Deus Tradicional no Amazonas que é independente da Cgadb é livre de escândalos não tem políticos e quando seu presidente Edson Alves faleceu não ficou no cargo seu filho e sim o vice PR. Gedeão Geanjeiro que tem sido uma bênção essa igreja já tem até fora do país alguns templos com pastores amazonenses.Essa é a igreja que caminha com Deus e com suas próprias pernas não precisamos encostar em ninguém pra caminhar depois do massacre dos Câmaras sobre nós nos separamos e construímos um ministério genuíno como Jesus deixou só em Manaus temos mais de 20 mil membros fora crianças e congregados que juntos passa esse valor.Pra nós pouco importa quem vai ganhar não dependemos deles pra caminhar nosso ministério é forte até demais, com Jesus no Leme é claro.

    ResponderExcluir
  13. A vontade de Deus era o então Pr.jw e ponto.

    ResponderExcluir
  14. É tanta ingenuidade achar que JW e Cia não tem interesse no poder, e porquê quem tentar ao menos concorrer a eleição já é excluído e a convenção que apoiar outro candidato é rachada, ele se quer respeita a igreja mãe, só fou na festa de 100 anos no PA por pressão da mídia, mas uma semana antes foi lá fazer outra festa pra atrapalhar a festa da igreja mãe e no Belem não é diferente, a igreja virou monarquia e o trono vai de pai para filho em todas as ADs e quem se opõe o Paulo Freire já disse: São canalhas, ah! Sabes de nada inocente!!!

    ResponderExcluir
  15. Esse autor tem mágoas com a família costa, talvez ele esteja assim porque não conseguiu uma oportunidade de assumir algum poder.
    Engraçado que esse ministério e de São Paulo e a maioria do comentaristas que esse autor se baseou e do Rio de Janeiro, só mostra que é fraudulento.
    O pessoal do rio de janeiro tem rincha com o Jese W. Porque ele cortou todos as regalias de pastores que sugavam a cpad, era uma empresa que sempre fechava no vermelho e a família do silas malafaia que dominava aí também o porque de tanto ódio dos pastores do rio de janeiro pelo pastor.
    Triste e as pessoas que acreditam nesse inven t a dor de história para criar polêmicas sem fundamento de pessoas que estiveram no dia.
    Não vi nenhuma citação de alguém que está no dia em que o autor citou.
    O reino dividido não subsiste e satanas nas sabe disse que ele usa pessoas para dividir o reino de Cristo. Mas o reino e de Cristo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Meu caro irmão Márcio, a Paz do Senhor!

      Obviamente acredito em suas palavras. Dizem alguns que a CPAD era ingovernável. Mas gostaria de esclarecer, que grande parte dos relatos da sucessão contidos no blog foram do próprio JW em sua biografia. Basta ler o livro e o senhor se deparará com alguns detalhes contatos pelo próprio presidente do Belém. O documento que citei é verdadeiro. Mas como publiquei é a versão dos opositores do pastor JW. A única coisa que fiz foi ironizar. JW foi sábio, diplomático, ousado ou astuto, dependendo do ponto de vista. Não há nada ali que não seja conhecido. Até porque ele mesmo conta. Eu só dei nome aos bois e coloquei o outro lado. Quanto eu ter mágoas da família Costa ou ser um decepcionado não vou sequer responder. Sei que para desqualificar uma ideia sempre se procura atingir o lado pessoal.

      Excluir
    2. Infelismente esta igreja mãe encontra se em mãos erradas, perdendo assim a sua indentidade de Assembleia de Deus, a onde a mulher do Câmara já é até "pastora"!

      Excluir
    3. A CGADB, como toda instituição humana tem falhas porém, os Câmaras, devido afrontarem a sã doutrina bíblica, a liturgia da Denominação (permitem danças no Templo, baladas gospel e etc) e os usos e costumes das AD's (não são perfeitos porém não são errados), NA MINHA OPINIÃO NÃO DEVEM ASSUMIR A CGADB! Devemos melhorar e não piorar.

      Excluir
  16. É povo de Deus, vigiemos.. Jesus Cristo está voltando quanto menos denegrir uns aos outros é melhor..
    Cada um tem o líder que merece o meu líder e Jesus​ ...

    ResponderExcluir
  17. Então aprovem logo não a engulam também pois aí já vamos saber de que lado estão se lado de ca ou do lado de lá?

    ResponderExcluir
  18. Paz do Senhor a todos... Pr. José Wellington com certeza foi separado por Deus. Pois depois da morte do pr. Alcebiades de saudosa memória, José Wellington assumiu um papel muito difícil no pentecostalismo em nossa Naçao... Tarefa esta que pela sabedoria de Deus outros não conseguiriam talvez. Entretanto Deus é sabedor de tudo e de todos. Tambem sou historiador(adimirador) como nosso irmão Mario Sérgio contemplo muito o trabalho dele, tambem como do pr. Isael... Tenhos seus Livros etc. E sou de acordo com o comentario do irmão Mario Sérgio e dos demais obreiros do Senho. Fiquem na paz do Mestre de Nazare. Amém

    ResponderExcluir
  19. Isto e uma vergonha estão brigando. Por poder dentro das igrejas.

    ResponderExcluir
  20. Todos os pastores que se candidatar a presidente deveria ser Eleito con os votos dos membros...

    ResponderExcluir