sábado, 27 de maio de 2017

Rio 40 graus – Alcebiades no Distrito Federal

"Rio 40 graus/Cidade maravilha/Purgatório da beleza e do caos" – A música é de 1992, e faz referência, não só à temperatura média da cidade, mas também aos seus encantos naturais e, infelizmente, a constante situação de violência e abandono da sua população.

No final da década de 1950, o pastor Alcebiades Pereira Vasconcelos sentiu ministerialmente a elevada temperatura das ADs no antigo Distrito Federal. Internamente, sérias questões com o presbitério de São Cristóvão; externamente, desentendimentos com o líder da AD em Madureira, Paulo Leivas Macalão.

Convidado oficialmente por telegrama pela igreja de São Cristóvão, Vasconcelos conta que foi surpreendido com sua indicação à presidência da igreja pelo presbitério em 21 dezembro de 1957. Percebeu à força do ministério carioca naquele mesmo dia.

Segundo conta em sua biografia, o missionário sueco Nels Nelson, então pastor da igreja, implorou: "Irmão Alcebiades, por favor aceite, porque caso contrário vai ser muito pior". Ao assumir, o experiente obreiro já havia feito à leitura da situação. Tinha diante de si um presbitério "todo-poderoso, que decidia pela igreja" e do qual ele deveria ser "100% dependente".

Conforme foi visto na última postagem, instabilidades ministeriais e administrativas e a inevitável fragmentação, levou o pastor da AD no Rio a propor autonomias controladas das congregações de São Cristóvão. Mas algumas cisões aconteceram e fortes acusações de Vasconcelos possuir "sentimento divisionista" foram feitas por um obreiro. 

É interessante notar, que o veterano pastor nas narrativas sobre sua passagem pela "Cidade Maravilhosa", enfatize mais os problemas e tensões, do que possíveis realizações do seu pastorado. A temperatura eclesiástica era alta no Rio.

Foto rara: casal Macalão e Alcebiades em viagem ao exterior

Paralelamente, Alcebiades teve sérias divergências com o líder de Madureira, Paulo Leivas Macalão. Em estudos no Mensageiro da Paz, escritos pelo pastor de São Cristóvão, há criticas ao líder de Madureira com sua concentração de poder ao ser nomeado "pastor geral" do campo.  Quase um "papado pentecostal brasileiro"– alfinetou. 

Obviamente, Macalão não deve ter gostado das observações. Dizem os mais antigos, que instalou-se um clima de animosidade entre os ministérios. Não havia mais cooperação entre as igrejas. A CGADB de 1959, realizada do Rio foi o auge das divergências. Alcebiades nessa convenção, teria exigido, por motivos não esclarecidos, à exclusão do pastor Paulo. Tentando contornar o mal-estar, o missionário Nels Nelson trabalhou nos bastidores para apaziguar os ânimos e propor mudanças.

Conta Vasconcelos, que durante os tumultos no Rio de Janeiro, nas constantes lutas com o presbitério, sentiu desejo de trabalhar na obra missionária. Evangelizar e abrir novas igrejas era menos desgastante do que lidar com os obreiros do seu ministério. Porém, tudo leva a crer, que o embate com Macalão, também contribuiu para sua transferência.

Ironicamente, depois de ir para terras bolivianas, passar por outras igrejas e pela própria CPAD, o experiente obreiro tenha, três décadas depois, sido eleito à presidência da CGADB, justamente contra uma chapa de Madureira. Não só isso: sua gestão foi marcada por sérias desavenças com o líder de Madureira, Manuel Ferreira.

A passagem de Alcebiades foi curta e intensa no antigo Distrito Federal. Realmente, o Rio 40 graus com toda a sua beleza, foi um "purgatório" para o antigo líder.

Fonte:

VASCONCELOS, Alcebíades Pereira; LIMA, Hadna-Asny Vasconcelos. Alcebíades Pereira Vasconcelos: estadista e embaixador da obra pentecostal no Brasil. Rio de Janeiro: CPAD, 2003.

Mensageiro da Paz, 1ª quinzena de novembro de 1959.

Crédito da foto: Alcebiades Sobrinho - Manaus (AM).

6 comentários:

  1. O tempo passa, o tempo voa e as intrigas visando poder nas "bléia" só pioram....

    ResponderExcluir
  2. Não era vivo ainda, nasci em 1970, mas tenho certeza que todos diriam que tudo estava em paz. Na AD nada é o que parece.

    ResponderExcluir
  3. Sou admirador do pastor Alcebíades, antes de pastor, um verdadeiro cristão. Infelizmente quem o sucedeu não seguiu seu exemplo.

    ResponderExcluir
  4. Pastor Alcebíades ainda é considerado um baluarte de fé e exemplo a ser lembrado pelas futuras gerações de obreiros.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O próprio Caio Fábio afirmou que o Pastor Alcebiades era um homem bastante amoroso.

      Excluir
  5. Tenho um amigo que é Pastor Batista e ele me afirmou que os Assembleianos, com as exceções, são um povo bélico. Infelizmente os anais históricos das Assembleia são marcados por embates.

    ResponderExcluir